09/01/2010

Querida Bruna







Não sei de onde veio
Como se deu
Só sei que embaixo da minha cama ela apareceu
Pequenina do tamanho do meu dedão
Parecia até rosa em botão
Pequeninha, invocada
Gulosa, convencida
Dona da bagunça, senhora da parada
Vive reclamando, me metendo em confusão.

Querida Bruna
Não sei por que ainda te adoro
Amiga de coração
Afinal
Você vive reclamando
Da minha falta de imaginação!


Amiga de todas as horas
Finge que é durona
Mas no fundo é uma chorona
Dá uma de mandona
De intelectual
Mas no fundo
E uma tremenda cara-de-pau.

Querida Bruna
Não sei por que ainda te adoro
Amiga de coração
Afinal
Você vive reclamando
Da minha falta de imaginação!


Querida Bruna te guardo
Bem no fundo de um baú encantado
Carregado de lembranças
De uma amiga
Inesquecível, engraçada e estranha
Gente fina
Pra ‘caramba’.

Saída de um ‘mundo fantástico’
Para ficar sempre ao meu lado


"Viviani Ketely"

Nenhum comentário:

Postar um comentário